O que é ANSIEDADE???

 

A perspectiva da abordagem cognitiva diz-nos que a ansiedade tem a origem nos nossos pensamentos….

nós interpretamos os acontecimentos e as situações, dando-lhes significados que nos fazem sentir nervosos e preocupados.

A ansiedade é positiva, até um certo grau, porque nos permite preparar e ultrapassar alguma situações difíceis. Por exemplo, o atleta que aguarda o sinal de partida numa corrida fica mais atento para o início da prova.

Quando experienciamos ansiedade, é difícil especificar aquilo que a provoca: ela é uma resposta a um perigo vago, distante ou mesmo irreconhecível. A ansiedade afeta todo o organismo: é uma reacção fisiológica, comportamental, emocional e psicológica.

A um nível fisiológico, os sintomas podem ser desde batimentos acelerados do coração, tensão muscular, transpirar nas palmas da mãos e pés, respiração rápida e boca seca e dores de cabeça ; a um nível comportamental, a ansiedade pode prejudicar e afetar bastante o nosso comportamento, como a expressão oral (“ter uma branco”), o desempenho desportivo e escolar ou lidar com situações simples do dia-a-dia. Psicologicamente, é um estado subjectivo de apreensão, medo ou preocupação, que em casos extremos pode levar a pensamentos como “medo de morrer” ou “medo de enlouquecer”.

O problema surge quando a ansiedade é excessiva (devido à sua intensidade, frequência e duração no tempo) ,acabando por bloquear o raciocínio e o desempenho nas situações e perturbar as atividades cotidianas. Neste caso, pode provocar sofrimento, um pior desempenho das atividades diárias (“algo horrível vai acontecer”, “não me consigo concentrar”) e prejudicar o sono e as relações pessoais.
Um ato relativamente inofensivo como entrar em um elevador ou estar perto de uma varanda num andar elevado pode ser vivido com muita intensidade e sofrimento para quem experimenta um transtorno de ansiedade porque avalia a situação com uma elevada probabilidade de ocorrência de um acontecimento negativo ou mesmo catastrófico.

Enquanto que o medo pode ser uma reação adaptativa do organismo quando nos prepara para um perigo real (por exemplo, se virmos um urso a caminhar na nossa direcção, o coração começa a bater mais rapidamente, bombeando mais sangue, para melhor podermos fugir dessa situação) e desta forma protegemo-nos dos perigos reais, na ansiedade patológica há uma avaliação exagerada de um perigo em situações relativamente inofensivas: um simples encontro social vai ser interpretado pelo fóbico social como uma situação humilhante, embaraçosa e vivida com muita ansiedade e apreensão.

A questão aqui é avaliar se estamos diante de um perigo REAL! Na maioria das vezes, nossas distorções de pensamentos nos faz imaginar uma situação perigosa e a ansiedade se torna inadequada levando ao sofrimento.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *